Antas ou Dólmens,

São monumentos megalíticos, designa uma construção monumental com base em grandes blocos de pedras rudes.
Em arqueologia, designa o conjunto de construções de grandes blocos de pedras, típicas das sociedades pré-históricas, edificadas essencialmente no período neolítico (por vezes também idade do Cobre e Bronze) com objetivos simbólicos, religiosos e principalmente funerários.
As primeiras construções megalíticas, da Europa Ocidental, localizam-se em Portugal, e datam de finais do VI milénio antes da nossa era. Espalharam-se desde a Península Ibérica até aos países nórdicos e norte de África. Na África Central, também se encontram testemunhos destas construções.
O Cromeleque dos Almendres é o maior conjunto de menires estruturados da Península Ibérica e um dos mais importantes da Europa. Encontra-se a cerca de 13 quilómetros da cidade de Évora, no Alentejo, a Sul de Portugal continental. Este recinto só foi assinalado em 1964 pelo arqueólogo Henrique Pina, no decorrer dos trabalhos da carta cartográfica de Portugal. Este monumento data dos finais do VI milénio AC ou início do V milénio AC e é constituído por 95 menires, sendo que no seu apogeu teria cerca de cem.

 

História

O Cromeleque dos Almendres localiza-se na freguesia de Nossa Senhora de Guadalupe, no concelho de Évora, Distrito de Évora, em Portugal.
A formação do conjunto foi faseada em três etapas:
- A parte mais antiga foi erguida ao final do sexto milénio a.C.. Nesta etapa, no Neolítico Antigo Médio, foi erigido um conjunto de monólitos, agrupados em três círculos concêntricos;
- No Neolítico Médio foi erigido um novo recinto com a forma de duas elipses concêntricas, mas irregulares;
- Na mais recente, no Neolítico Final, no terceiro milénio a.C., foram acrescentados aos dois recintos existentes alguns monólitos com gravuras de marcada influência religiosa.
O conjunto foi descoberto em 1964 por Enrique Leonor Pina, quando procedia ao levantamento da Carta geológica de Portugal. Desde então, no local já foram empreendidas três campanhas arqueológicas.
O conjunto encontra-se classificado pelo IGESPAR como Imóvel de Interesse Público desde 1974


Características

 Trata-se de um cromeleque erguido na encosta voltada a nascente de uma colina.
Os monólitos, alguns com três metros de altura, foram colocados sobre alvéolos (cavidades) previamente preparados. Atualmente existe uma planta da disposição cada um destes monólitos, todos numerados, possibilitando a identificação das características individuais de cada um.
Os dois recintos contíguos apresentam orientação Este-oeste (nascente-poente):
- O recinto a Oeste apresenta o formato de um círculo. É o mais antigo, tendo sido edificado no Neolítico Antigo Médio. É constituído por três círculos concêntricos, apresentando vinte e quatro monólitos. O círculo exterior tem aproximadamente 18,8 metros de diâmetro, e o círculo interior cerca de 11,4 metros.
- O recinto a Leste apresenta forma de elipse. É o mais recente, tendo sido edificado no Neolítico Médio. É constituído por 95 menires, na sua origem.
- É formado por duas elipses concêntricas, em que a maior apresenta as seguintes dimensões: eixo maior 43,6 metros e o menor, 32 metros. No interior do recinto em forma de elipse, foram erguidos, já no Neolítico Final, alguns novos menires, assim como foram gravadas algumas figuras em relevo em alguns dos já existentes.